Fimose é a incapacidade de retrair o prepúcio (pele que recobre a ponta do pênis) e expor a glande (cabeça do pênis). Ou seja, se apresenta como um anel ao redor da ponta do pênis, que impede a exposição completa. Pode ser classificada em fisiológica ou patológica.

A fimose fisiológica é aquela que a criança apresenta ao nascimento e que pode melhorar naturalmente com o passar do tempo, (na maioria dos meninos a melhora ocorre entre três e cinco anos).

A fimose patológica ocorre em casos de formação de cicatriz, infecção ou inflamação. Forçar a exposição da glande pode levar a dor, sangramento e formação de cicatrizes. Os casos de fimose patológica não melhoram com o passar do tempo e exigem tratamento cirúrgico.

Em caso de fimose fisiológica, nenhum cuidado especial é necessário. A retração do prepúcio não deve ser forçada. Nos primeiros anos de vida, o prepúcio pode ser gentilmente tracionado para limpeza, durante a troca de fralda ou no banho. Na criança maior, o prepúcio deve ser retraído para a retirada do esmegma e sempre deve ser puxado para recobrir a glande novamente após a limpeza. O esmegma é formado pelo acúmulo de células da glande e do prepúcio. Esse material ajuda a separar o prepúcio da glande. Pode aparecer como pérolas brancas sob a pele do prepúcio, que serão removidas após a retração natural do prepúcio.

A fimose fisiológica só necessita de tratamento quando não melhora espontáneamente ou que causa complicações como irritação local, sangramento, formação de um “balão” durante a micção, retenção urinária, dor para urinar, ereção dolorosa e infecção. A parafimose é outra complicação frequente que necessita de tratamento imediato. O problema ocorre quando o prepúcio é retraído e não se consegue recobrir a glande novamente.

O tratamento da fimose depende da idade da criança e da ocorrência de complicações. O problema pode ser tratado com aplicação de pomada à base de corticoide e tentativa diária, gentil, de retrair o prepúcio.

O Urologista Pediátrico pode indicar este tratamento efetivo na maioria das crianças, mas não são todos os casos que tem benefício com esta forma de tratamento.

A pomada à base de corticoide atua sobre a pele apertada do prepúcio, o que permite a retração e exposição da glande. Durante a consulta, a forma correta de aplicação é demonstrada para aumentar o sucesso do tratamento, que costuma durar de 6 a 8 semanas, com massagem e retração do prepúcio dias vezes ao dia.

Após conseguir a retração completa, o tratamento é interrompido e a retração diária do prepúcio, durante o banho ou no momento da micção, impede que a fimose ocorra novamente.

A cirurgia para correção da fimose é chamada de circuncisão ou postectomia, que se refere à retirada cirúrgica do prepúcio. Em alguns casos, o Urologista Pediátrico pode recomendar a circuncisão ou postectomia,  quando não ocorre melhora com o tratamento com pomada ou na presença das complicações descritas na avaliação. Após a circuncisão ou postectomia, a glande passa a ficar constantemente exposta.

O procedimento pode ainda ser realizado por motivos religiosos ou, mais recentemente, como forma de reduzir no futuro o risco de contágio por algumas doenças sexualmente transmissíveis e o risco de câncer de pênis.